Credo in Unam, Sanctam, Cathólicam et Apostólicam Ecclésiam

"Na presença dos Anjos ei de cantar-Vos e adorar-Vos no vosso santuário."
(Salmo 137, 1)

sexta-feira, 31 de março de 2017

terça-feira, 28 de março de 2017

A Igreja é contra o divórcio


Em Portugal existe uma estatística muito triste, 70% dos casamentos termina em divórcio. É o país europeu onde há mais separações. É uma grande contradição que num país católico isso possa ser uma realidade. Gostaria de enfatizar nessa publicação que a Igreja Católica é contra o divórcio.

O que está a seguir não é minha opinião pessoal, é um fragmento do Catecismo da Igreja sobre o tema em questão:

"Indissolubilidade do Matrimônio e divórcio

§2382 O Senhor Jesus insistiu na intenção original do Criador, que queria um casamento indissolúvel. Ab-roga as tolerâncias que se tinham introduzido na Lei antiga.

Entre batizados, o matrimonio ratificado e consumado não pode ser dissolvido por nenhum poder humano nem por nenhuma causa, exceto a morte".

Divórcio civil

§2383 A separação dos esposos com a manutenção do vínculo matrimonial pode ser legítima em certos casos previstos pelo Direito canônico (cf. CIC, cânones 1151-1155).
Se o divórcio civil for a única maneira possível de garantir certos direitos legítimos, o cuidado dos filhos ou a defesa do patrimônio, pode ser tolerado sem constituir uma falta moral.

Definição de divórcio

§2384 O divórcio é uma ofensa grave à lei natural. Pretende romper o contrato livremente consentido pelos esposos de viver um com o outro até a morte. O divórcio lesa a Aliança de salvação da qual o matrimônio sacramental é o sinal. O fato de contrair nova união, mesmo que reconhecida pela lei civil, aumenta a gravidade da ruptura; o cônjuge recasado passa a encontrar-se em situação de adultério público e permanente:

Se o marido, depois de se separar de sua mulher, se aproximar de outra mulher, se torna adúltero, porque faz essa mulher cometer adultério; e a mulher que habita com ele é adúltera, porque atraiu a si o marido de outra.

Conseqüências do divórcio entre cônjuges católicos

§1650 São numerosos hoje, em muitos países, os católicos que recorrem ao divórcio segundo as leis civis e que contraem civicamente uma nova união. A Igreja, por fidelidade à palavra de Jesus Cristo ("Todo aquele que repudiar sua mulher e desposar outra comete adultério contra a primeira; e se essa repudiar seu marido e desposar outro comete adultério": Mc 10,11-12), afirma que não pode reconhecer como válida uma nova união, se o primeiro casamento foi válido. Se os divorciados tornam a casar-se no civil, ficam numa situação que contraria objetivamente a lei de Deus. Portanto, não podem ter acesso à comunhão eucarística enquanto perdurar esta situação. Pela mesma razão não podem exercer certas responsabilidades eclesiais. A reconciliação pelo sacramento da Penitência só pode ser concedida aos que se mostram arrependidos por haver violado o sinal da aliança e da fidelidade a Cristo e se comprometem a viver numa continência completa.

§1664 A unidade, a indissolubilidade e a abertura à fecundidade essenciais ao Matrimônio. A poligamia é incompatível com unidade do matrimônio; o divórcio separa o que Deus uniu; a recusa da fecundidade desvia a vida conjugal de seu mais excelente": a prole.

§2385 O caráter imoral do divórcio deriva também da desordem que introduz na célula familiar e na sociedade. Esta desordem acarreta graves danos: para o cônjuge que fica abandonado; para os filhos, traumatizados pela separação dos pais, e muitas vezes disputados entre eles (cada um dos cônjuges querendo os filhos para si); e seu efeito de contágio, que faz dele urna verdadeira praga social.

§2400 O adultério e o divórcio, a poligamia e a união livre são ofensas graves à dignidade do casamento.

Inocência do cônjuge injustamente abandonado

§2386 Pode acontecer que um dos cônjuges seja a vítima inocente do divórcio decidido pela lei civil; neste caso, ele não viola o preceito moral. Existe uma diferença considerável entre o cônjuge que se esforçou sinceramente por ser fiel ao sacramento do Matrimônio e se vê injustamente abandonado e aquele que, por uma falta grave de sua parte, destrói um casamento canonicamente válido.

Obra de caridade para com os divorciados

§1651 A respeito dos cristãos que vivem nesta situação e geralmente conservam a fé e desejam educar cristãmente seus filhos, os sacerdotes e toda a comunidade devem dar prova de uma solicitude atenta, a fim de não se considerarem separados da Igreja, pois, como batizados, podem e devem participar da vida da Igreja:
Sejam exortados a ouvir a Palavra de Deus, a freqüentar o sacrifício da missa, a perseverar na oração, a dar sua contribuição às obras de caridade e às iniciativas da comunidade em favor da justiça, a educar os filhos na fé cristã, a cultivar o espírito e as obras de penitência para assim implorar, dia a dia, a graça de Deus.”


Há casos que infelizmente o divórcio é inevitável. Aconselho essas pessoas a procurar a Igreja, para verificar se o seu matrimónio foi mesmo válido. Muitas uniões, depois de analisadas, verifica-se que na verdade são nulas. Tendo a comprovação da nulidade do primeiro casamento a pessoa poderá se casar na Igreja, pois é como se fosse solteira, não havendo impedimento moral para a nova união. Porém se a primeira união for considerada válida, essa pessoa não deveria se casar novamente, pois a nova relação será considerada um adultério. 

quinta-feira, 23 de março de 2017

5 Coisas que ninguém lhe contou sobre Ligadura de Trompas


Quando a família sente-se completa e não há o desejo de mais filhos, alguns casais optam por serem esterilizados. Porém, poucas coisas na vida são tão definitivas como a laqueadura.
Não devemos nos esquecer de que uma das razões pelas quais os casais optam pela esterilização é o alto custo da contracepção nas questões financeira, física e emocional. Entre os efeitos colaterais com os quais as mulheres têm de lidar apenas para terem sua fertilidade "sob controle" são a diminuição do desejo sexual, ganho de peso, perda de cabelo, distúrbios hormonais, mudanças de humor, aumento dramático do risco câncer e coágulos sanguíneos, que podem causar sérios problemas de saúde, e até a morte.
Ligadura de trompas ou esterilização feminina
A principal função das trompas de Falópio é conduzir o óvulo dos ovários para o útero e também nutrir e guiar os espermatozoides – caso estejam presentes – para facilitar a concepção (que ocorre ainda nas trompas). Se a fecundação ocorrer, sua função, a seguir, é de alimentar e transportar o ser humano recém-concebido (zigoto) até o útero, onde ele é implantado. Para anular sua função e esterilizar permanentemente a mulher, as trompas são ligadas, ou cortadas, ou queimadas ou obstruídas, ou é feita uma combinação desses métodos.
Compartilho com você 5 pontos sobre esse procedimento, desconhecidos por muitos, que à primeira vista parecem convenientes e seguros.
1. Riscos e efeitos colaterais
Os riscos mais comuns da operação e da anestesia incluem: infecção, hemorragia, paradas respiratórias ou cardíacas, reações negativas aos anestésicos, órgãos abdominais danificados, perfuração intestinal e, em casos extremos, a morte. Enquanto isso, os efeitos secundários mais comuns de esterilização são:
·         Distúrbios menstruais.
·         Alteração na intensidade e frequência das cólicas menstruais.
·         Mau funcionamento dos ovários e produção de gravidez ectópica (quando ocorre a fecundação e o zigoto não pode ser transferido para o útero. Pode causar a morte da mãe).
·         Uma década após a laqueadura, pode haver necessidade de remover cirurgicamente o útero devido a complicações posteriores à cirurgia.

2. Efeitos psicológicos
Tragicamente, os efeitos colaterais mais frequentes, e são os menos relatados pelo médico a sua paciente, são arrependimento e remorso. Embora, inicialmente, uma mulher possa se sentir aliviada por haver se submetido a uma "solução definitiva" a respeito do planejamento familiar, estudos apontam os efeitos psicológicos, tais como depressão e ansiedade, que afetam a maioria das mulheres que se submeteram a esse procedimento. Muitas delas experimentam grande estresse, o que afeta as relações sexuais com seus maridos.
3. Eficácia
A ligadura de trompas é realmente tão eficaz para se correr todos os riscos? Ao contrário do que muita gente pensa, a esterilização feminina não é 100% eficaz. A possibilidade de ocorrer uma gravidez é de até 13%, dependendo do tipo de ligadura realizada, sendo a gravidez ectópica um risco latente nestas mulheres.
4. Reversão do procedimento
Uma executiva de banco de sucesso, com quem trabalhei há algum tempo, viu-se na situação de adotar legalmente seu neto. Seu maior desejo era dar-lhe um irmãozinho (ela é uma avó/mãe muito jovem, de apenas 40 anos), mas não foi possível restaurar sua fertilidade.
Há mulheres que perderam seus maridos e casam-se novamente e desejam ter filhos em seu novo casamento. Algumas sentem um grande vazio, e procuram restaurar seu relacionamento com Deus.
Todos os dias, mais mulheres sentem o desejo irresistível de reverter sua esterilização, pois percebem que a fertilidade era uma parte muito importante de si. Restituí-la, entretanto, é muito difícil e, às vezes, impossível. Entre outras coisas, a cirurgia é muito mais complexa e cara do que a laqueadura, e os planos de saúde geralmente não cobrem. O médico não pode garantir que conseguirá restaurar a fertilidade da paciente, uma vez que as chances de sucesso dependem de muitos fatores, incluindo a idade da mulher e o tipo de ligadura que foi feito.
5. Emoções temporárias versus decisões definitivas
Conheci mães que optaram pela esterilização definitiva por sentirem-se sobrecarregadas com a chegada de um novo bebê ou pelo custo emocional de algumas outras situações da vida. Elas se arrependeram de ter tomado esta decisão. Uma delas me disse que o dia em que ela morresse Deus lhe permitiria conhecer a criança que Ele tinha preparado para ela e seu marido, a quem não permitiram chegar à sua vida devido à decisão que tomaram. Outra conseguiu adotar seu único filho, mas não passa um dia sequer sem que ela se arrependa por ter optado pela esterilização.
Devemos observar que as decisões que tomamos na vida, baseadas em emoções temporárias, às vezes são equivocadas e até mesmo trágicas, especialmente quando são irreversíveis. As emoções podem ofuscar a nossa percepção e nos impedir de ver claramente o futuro.
Nenhum procedimento definitivo que atue contra a nossa natureza, ainda que pareça prático ou confiável, pode beneficiar a nós mesmas e o nosso relacionamento. Os métodos naturais de planejamento familiar, em minha opinião, continuam sendo as alternativas mais econômicas, seguras e saudáveis para evitar a gravidez, seja temporária ou permanentemente.




quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

"A vida humana é realmente inviolável"



O Cardeal – Patriarca de Lisboa considera que o tema da eutanásia não deve ir a referendo, porque “a vida humana é realmente inviolável”. Questionado sobre se é uma matéria que deve ser tratada com uma consulta popular, D. Manuel Clemente diz que o caminho não deve ser esse. “É uma das hipóteses que está na nossa Constituição e na nossa lei, mas não é uma hipótese para olhar desde já. O que temos de olhar desde já é o reforço das convicções, seja no Parlamento, seja na sociedade portuguesa. A vida humana é realmente inviolável. Isto está na Constituição, não precisa nem deve ser referendado”, lembrou, considerando o debate inoportuno. “Não devia fazer sentido, numa sociedade que também politicamente se rege por uma Constituição, cujo artigo 24 diz taxativamente: “A vida humana é inviolável.” Isto também é a lei de Deus para quem é crente, mas é o artigo 24 da Constituição da República”.

Fonte: jornal "A Voz da Verdade"

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A Propósito da Notícia do Papa Alargar a Absolvição do Aborto a Todos os Sacerdotes




Fui durante algum tempo missionária na missão Mãos Erguidas, criada pela Exma. Senhora Leonor Castro, a porta da Clínica dos Arcos, em Lisboa. Tive neste lugar alguma experiência sobre o enorme desespero das mulheres que recorrem ao abortório por uma solução que no momento acreditam ser acertada.

Essas mulheres depois passam por um excruciante sofrimento que muitas vezes levam por toda a vida. Por isso é uma medida louvável a que o Papa Francisco tomou, facilitando o perdão das mulheres que fizeram aborto mas, arrependidas, recorrem ao sacramento da confissão.

"Não existe algum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar e destruir", escreveu o Papa Francisco na carta apostólica "Misericórdia e Mísera".

Anteriormente uma mulher nessa situação teria que recorrer ao Bispo para poder se confessar, por causa da gravidade de seu pecado. Agora, todos os padres poderão receber essa mulher e dá-lhe a absolvição, desde que haja arrependimento e acolhê-la na Igreja.

Mas atenção! Não se trata, porém, de uma banalização do assunto, ou de um passo para a aprovação do aborto pela Igreja. O aborto continua sendo um pecado grave, o assassinato de um ser humano inocente.

De acordo com o Catecismos da Igreja Catolica, a partir da concepção, existe um novo ser e Deus infunde nesse ser uma nova alma (CIC 366). Por isso o aborto é um pecado grave contra o 5º. Mandamento “Não Matarás”.

Porém, se Você Mulher, cometeu esse ato e está arrependida, não sofra sozinha, em silêncio. Procure ajuda! Procure o Perdão de Deus, com o Padre de sua paroquia, não tenha medo, nem vergonha!

Jesus revelou a Santa Faustina o que diz a alma pecadora:

Jesus: Alma pecadora, não tenhas medo do teu Salvador, Eu sou o primeiro a aproximar-Me de ti, pois sei que por ti mesma não és capaz de te elevar até Mim. Filhinha, não fujas de Teu Pai, dispõe-te a dialogar a sós com o teu Deus de misericordia, que quer dizer-te palavras de perdão e cumular-te com graças. Oh, como me é querida a tua alma! Increvi-te nas Minhas mãos e gravada estás como chaga profunda no Meu Coração.

Esse é o nosso Deus de Misericordia e Amor!

Exitem dentro da Igreja grupos de apoio como a Vinha de Raquel , por exemplo, que acolhe mulheres nessa situação.

“Ninguem esquece um filho que não nasceu!”

Leia a noticia em:


sábado, 27 de agosto de 2016

De onde viemos? Para onde vamos?


Essa é uma das perguntas mais fundamentais do ser humano, por causa dessa pergunta surgiu a filosofia. Porém qual resposta a Igreja Católica tem para esse questionamento?

De onde viemos?

Sabemos de onde vem o corpo humano, foi gerado por seus pais, mas e a alma?

A Igreja ensina que cada alma humana foi diretamente criada por Deus. Não foi produzida por seus pais e é imortal (CIC 366). Essa alma é infundida no corpo no exato momento da concepção.

Existem teorias filosóficas sobre a criação das almas:

- Preexistencialismo: acreditam numa preexistência das almas, isto é, as almas são por si espíritos incorpóreos e foram todas criadas por Deus no início da criação. Deus teria então um estoque de almas que se uniria ao corpo no momento da concepção. Essa idéia não é aceita pela igreja e está geralmente ligada a pessoas que acreditam em reencarnação.

. Traducionismo: defesa da idéia de que as almas são transmitidas pelos pais aos filhos de modo semelhante à transmissão do corpo. A alma teria sido criada por Deus, em Adão e Eva, mas as outras almas seriam transmitidas de pais para filhos. Essa tese foi recusada pela igreja como herética.

- Criacionismo: Nós católicos acreditamos então na teoria criacionista na qual a alma racional é criada por Deus e infundida no corpo no mesmo instante da concepção. Portanto Deus continua a criar almas humanas e os casais, chamados a dar vida, são cooperadores do amor de Deus criador (CIC 2367). Na Biblia encontramos várias passagens que dão respaldo a essa teoria como, por exemplo, Eclesiastes 12:7; Isaías 42:5; Zacarias 12:1; Hebreus 12:9.

Para onde vamos?

A alma não desaparece quando se separa do corpo na morte, ela viverá eternamente. A alma humana é ordenada para Deus e destinada à bem aventurança eterna. (CIC 1711) Livre das amarrar do corpo mortal e das ilusões do mundo voa para o seu maior objetivo, busca retornar ao seu Criador. Infelizmente algumas almas não conseguirão entrar no Céu, a morada de Deus, porque durante sua vida optaram, com o seu livre abítrio, se afastar da luz, do bem e do amor de Deus.

Portanto o ser humano foi criado por Deus e para Ele quer retornar, para preencher a sua sede original pela felicidade que somente em comunhão com Deus obterá: “quando eu estiver inteiramente em Vós, nunca mais haverá dor e provação; repleta de Vós por inteiro, minha vida será verdadeira.”(Santo Agostinho, Confissões, 10, 28, 39).